Viagem e Férias

10 destinos para relaxar em águas termais

Termas combinam passeio agradável para os pais e diversão para as crianças

10 destinos para relaxar em águas termais

Não é de hoje que os benefícios das águas termais são reconhecidos e utilizados no mundo todo. Desde a antiguidade, há evidências do uso do calor das fontes hidrotermais para diversas aplicações: religiosas, terapêuticas, de bem-estar, recreativas, de cozimento, no aquecimento de habitações... E uma das maneiras mais gostosas de aproveitar a água quente em abundância é visitar complexos de lazer, spas e balneários.

Fontes termais são nascentes de água subterrânea naturalmente aquecida abaixo da superfície do planeta. “Esse aquecimento acontece por diferentes processos físico-químicos relacionados à dinâmica geológica da Terra e pelo chamado gradiente geotérmico, que acontece quando a água da chuva penetra as rochas e esquenta progressivamente, devido à profundidade”, explica o geólogo Tiago Borges da Silva.

Diversos complexos aquáticos são construídos aproveitando o ganho de pressão dessa água que volta quentinha e rica em minerais à superfície. Montamos aqui um roteiro com 10 destinos brasileiros para você desfrutar dessa maravilha natural com toda família.

Para visitar e aproveitar

1. Termas do Araxá (Minas Gerais)
A 380 km de Belo Horizonte, as termas araxaenses se destacam pela grandiosidade da arquitetura, além da variedade de banhos. “No inverno, a dica é a piscina Emanatória (foto acima), de água radioativa a 37 ºC. No verão, vale a pena se refrescar com um banho espumante”, indica Fernanda Ribeiro, do Departamento de Turismo da Prefeitura de Araxá. Os banhos de lama negra não são recomendados para crianças, mas elas contam com outras atrações especiais, como o banho de chocolate e a massagem infantil. (Foto: Tauá Grande Hotel/ Divulgação)

2. Balneário Municipal de Águas de Lindóia (São Paulo)
Localizado a 180 km da capital paulista, o balneário, um dos pioneiros em termalismo no país, oferece banhos relaxantes, hidratantes, para tratamentos de doenças, além de massagens, drenagem linfática e ducha escocesa. Uma curiosidade é que a água, com temperaturas entre 26 ºC e 28 ºC, é realmente azul. Isso acontece devido ao alto índice de oxigênio encontrado nelas, um dos maiores do mundo.

3. Termas de Caldas Novas e Rio Quente (Goiás)
O famoso circuito goiano de águas quentes recebe, a cada ano, um número maior de turistas em busca de seus rios, fontes, lagos, piscinas e até uma praia artificial com temperaturas que podem chegar a 58 ºC. Caldas Novas, localizada a 164 km de Goiânia, juntamente com a cidade vizinha, Rio Quente, formam a maior estância hidrotermal do mundo. As cidades destacam-se também pelas ações voltadas para a sustentabilidade ambiental e pelo ecoturismo.

4. Termas do Gravatal (Santa Catarina)
A água mineral dessa cidade catarinense, cercada por morros e vegetação nativa, tem temperatura média de 37 ºC e é levemente bicarbonatada e carbogasosa. A balneoterapia é bastante utilizada para fins medicinais, como o tratamentos de reumatismo e hipertensão. “No balneário, recomenda-se um banho de 20 minutos no máximo, pois a água vem direto da fonte com todo o seu potencial termal, mineral e radioativo”, explica o secretário de Turismo, Fabricio Lorenzetti.

5. Termas de Iretama (Paraná)
O próprio nome da cidade destaca seu principal atrativo – Iretama, no tupi, significa “lugar das águas”. Ali, não faltam motivos para relaxar com o líquido de nome longo, mas que indica suas diversas propriedades: água mineral natural hipertermal alcalino-bicarbonatada fluoretada sulfurosa. O principal resort da Iretama tem suas piscinas abastecidas com águas que emergem a 42 °C. Cinco delas são ao ar livre.

6. Termas de Mossoró (Rio Grande do Norte)
Localizada estrategicamente entre duas importantes capitais, Natal e Fortaleza, a cidade conta com um complexo hoteleiro que possui o maior parque aquático de águas termais do Brasil, composto por 13 piscinas que variam a temperatura entre 30 ºC e 58 ºC. Suas águas, ricas em cálcio, magnésio e ferro, minerais aos quais se atribuem uma série de benefícios comprovadamente terapêuticos, colocam Mossoró como um dos principais destinos para o “turismo de saúde”.

7. Termas de Nova Prata (Rio Grande do Sul)
Na região Nordeste do Estado sulista, a cidade pertence ao Roteiro Termas e Longevidade, que abrange cinco municípios da Região da Uva e do Vinho da Serra Gaúcha. Mesmo no inverno, onde as temperaturas podem ser negativas, o principal complexo hidrotermal da cidade oferece piscinas quentinhas, com águas que brotam a mais de 700 metros de profundidade a 41 ºC.

8. Termas de Olímpia (São Paulo)
A cidade que se tornou um importante pólo turístico está localizada no interior de São Paulo, a 30 minutos do aeroporto de São José do Rio Preto, e possui um complexo aquático que é o mais visitado no Brasil há dois anos consecutivos. Lá você vai encontrar a única piscina de ressurgência – que não afunda – construída pelo homem no mundo, além de piscinas termais de ondas em praias artificiais.

9. Termas de Piratuba (Santa Catarina)
A cidade catarinense ficou conhecida em todo o país em 1964, quando, perfurando poços em busca de petróleo, ao invés do “ouro preto”, foi descoberto um lençol de águas sulfurosas de 38,6 °C, a 674 metros de profundidade. O Parque Termal Municipal tornou-se, então, o carro-chefe do turismo de Piratuba com piscinas adultas e infantis, chuveirinhos ao ar livre, saunas, hidromassagem e um chafariz natural que joga água a uma altura de 30 metros.

10. Termas de São João do Oeste (Santa Catarina)
No município de São João do Oeste, localizado no extremo Oeste de Santa Catarina, o complexo termal surgiu a partir da perfuração de um poço para água potável pela Prefeitura entre 1994 e 1995, o que resultou em águas termais de alto teor mineral, impróprias para o consumo, mas excelentes para balneário. A água que abastece as piscinas internas e externas vêm do poço a 52 ºC - são as mais quentes conhecidas no Sul do Brasil - e tem profundidade de 1.372 metros.