Viagem e Férias

Viagem em cima da hora, sem gastar horrores!

Planejar um passeio com a família às pressas não significa que será um caos ou se transformará em dívidas eternas. Basta seguir algumas dicas básicas

Viagem em cima da hora, sem gastar horrores!

Quem já teve que improvisar uma viagem com a família aos “47 minutos do segundo tempo” sabe que é fácil se perder no meio de preços, datas, reservas e pagamentos. Mas, nem por isso, é uma tarefa impossível ou sinônimo de fracasso - ou, pior ainda, rombo no orçamento.

“Fazer uma viagem em família em cima da hora de uma forma econômica é um grande desafio, mas é possível. Hoje em dia existem muitas ferramentas que ajudam a planejar a viagem, seja para passagens, passeios ou alimentação. A internet e seu smartphone serão seus maiores aliados nessa hora!”, comenta Juliane Soares, namorada de Gabriel Folli (foto abaixo). Juntos, eles comandam o blog Viajar com Pouco.

Quanto mais cedo iniciar os preparativos, melhor. Em cima da hora, foco, paciência e organização farão toda a diferença!

Quer ver só? Separamos algumas dicas e pontos de atenção que você deve observar.

1. A escolha do roteiro

O "ponto zero" da viagem vai depender muito do perfil e de quanto a família está disposta a desembolsar. "Se o orçamento estiver apertado, aposte nos destinos nacionais. O Brasil é muito grande e há opções para todos os gostos, seja praia, interior, cachoeira… Tem para todo mundo!", garante Gabriel. Mas tente evitar lugares muito turísticos, como Rio de Janeiro e Salvador. O casal lembra que cidades do gênero são mais caras pela quantidade de turistas que recebem. Outras, menos conhecidas, se revelam ótimas alternativas para gastar pouco. "Agora, se você não abre mão de viagem internacional, vale visitar a América do Sul. Na Argentina e no Chile, por exemplo, dá para fazer viagens incríveis em família, sem gastar muito", observa Juliane.

2. Hospedagem mais em conta

Nesse quesito, vale abrir o leque para possibilidades fora do padrão, ou seja, optar por serviços de aluguel de imóveis em vez de hotéis, cuja conta costuma ser alta numa viagem familiar. “Ainda é possível se sentir como um morador local”, diz Gabriel. Para escolher um bom apartamento, a dica dele é ficar de olho nas avaliações feitas por quem já se hospedou por lá. Outra possibilidade são os hostels: em muitos, há a possibilidade de reservar quartos privativos para o grupo e, provavelmente, custarão menos do que em hotéis.

3. Comprando passagem

“Por mais que o tempo seja ‘apertado’, pesquise o máximo que conseguir. Não compre a primeira opção de passagem que aparecer. Pesquisar voos em ferramentas na internet pode poupar – e muito – seu bolso”, opina Gabriel. Há vários sites e aplicativos que fazem buscas e comparação de preços, inclusive para viagens em cima da hora. Porém, fique de olho: alguns cobram taxas de serviço. Então, antes de fechar a compra, visite a página da companhia aérea e confira se o preço é o mesmo.

Mas tenha em mente que em certos períodos, como feriado e férias, o cenário não é bom. “Se for uma viagem para algum destino próximo, considere ir de ônibus, mesmo que demore um pouco mais para chegar. Em muitos casos, vale a pena porque os preços das passagens de ônibus não oscilam tanto quanto as de avião”, sugere Juliane.

4. Transporte no destino

Alugar um carro pode ser boa opção para uma viagem em família. "Comece a pesquisa pela internet, olhe preços, opções de carros e locadoras para decidir o melhor para a sua família", ensina Juliane. Há, inclusive, sites que comparam preços. "Às vezes, as ofertas mais baratas podem ficar mais caras com taxas 'escondidas'. Veja avaliações de outros usuários também", lembra Gabriel. E não se esqueça de que alguns países exigem a PID (Permissão Internacional para Dirigir).

Já para transporte dentro da cidade, pondere se vai gastar muito tempo em trânsito ou com combustível – fora o provável estresse ao dirigir, dependendo do roteiro. "Para esse caso, recomendamos uso de transporte público mesmo que, via de regra, em cidades grandes, funcionam muito bem e são mais acessíveis. Procure se informar sobre bilhetes para vários dias ou pacotes de passagens", orienta Juliane.

5. Organizando a mala

Para ter certeza de que nada importante vá ficar para trás (e que itens menos úteis te acompanhem), faça uma check list antes de fazer as malas, com tudo o que não pode ser esquecido. "Isso vai otimizar o tempo, ainda mais se estiver viajando com crianças", lembra Gabriel. Eles recomendam uma lista para documentos, uma para mala de mão e outra para as malas que serão despachadas. "É sempre importante validar com a companhia aérea quais as condições de bagagem, quantas e de que peso podem ser levadas, além das regras com o que pode ou não entrar nas bagagens de mão", lembra o blogueiro. Isso evita gastos com excesso de bagagem ou compras de última hora porque o item necessário ficou em casa.

6. Passeios mil

Passeios ao ar livre são ótimas opções para quem não quer gastar. No entanto, se a família quer muito visitar uma atração paga, tente comprar ingresos antecipadamente pela internet. Muitas vezes, há promoções especiais e vocês ainda economizam tempo que gastariam nas filas.

7. Alimentação mais em conta

Se o grupo optar pelo aluguel de um imóvel, a melhor saída é cozinhar para toda a família ali mesmo. “Compre no mercado alguns snacks para comer durante dia e faça pelo menos uma refeição em casa. Acredite: esses trocadinhos para comprar um docinho aqui ou outro ali, quando economizados, farão diferença no seu orçamento!”, afirma Juliane. Outra dica é procurar restaurantes um pouco mais afastados da zona turística – na maioria das cidades, eles oferecem praticamente os mesmos pratos, só que muito mais baratos.

8. Celular e internet

"Se a sua viagem for em outro estado ou mesmo país, cuidado ao atender ligações de outros DDDs ou DDIs, pois você pode pagar bem caro por serviços de roaming”, salienta Juliane. A dica é tentar comprar um chip de alguma operadora local e fazer ligações apenas usando aplicativos de comunicação. É recomendável escolher uma operadora que tenha um bom pacote de banco de dados para você usar a internet enquanto estiver na rua. Agora, se for ficar pouco tempo em cada lugar, o melhor mesmo é usar Wi-Fi gratuito de restaurantes e espaços públicos.

9. Seguro-viagem necessário

Esse item é extremamente importante já que, durante uma viagem, muita coisa é imprevisível – e o barato pode sair caro! Em alguns lugares, como nos países europeus que fazem parte do Acordo de Schengen, é obrigatório ter um seguro. “A maioria das seguradoras oferece serviço completo de compra pela internet; é bem prático e rápido”, diz Juliane. O casal lembra que boa parte das empresas têm ainda descontos vinculados às compras no próprio site ou com blogs, oferecendo descontos se a aquisição ocorrer através de um dos parceiros.

(Foto: Getty Images)