Viagem

Altas aventuras como exploradores da natureza no Animal Kingdom

Por Samantha Shiraishi
@maecomfilhos

Com Wilderness Explorers, as crianças se tornam exploradores da natureza como Russell, do filme Up!

Altas aventuras como exploradores da natureza no Animal Kingdom

Começamos nossas férias na Disney pelo Animal Kingdom. O parque, que abriu suas portas em um Dia da Terra (22 de abril) de 1998, tinha a nossa cara e pensamos que traria um olhar diferente sobre o universo Disney. Além do mais, com uma bebê no grupo, confiei na imensa área verde do local para nos referescar no que prometia ser um domingo de muito calor.

Acertei em cheio. Em tamanho, o Animal Kingdom é o maior parque da Disney de todo o mundo, com 580 acres, lar de mais de 1.700 animais de 250 espécies diferentes. O símbolo do parque é a “Árvore da Vida” que possui a imagem de mais de 300 animais entalhadas em seu tronco – e até um Mickey escondido!

Logo na entrada fiz uma foto com as crianças e, ao subir no Instagram, recebi um comentário da blogueira Melissa Machado, indicando o que fora a atração favorita da sua filha Bia e que eu tinha ficado em dúvida se agradaria meus meninões.

(Aqui entre nós, a viagem foi outra com a companhia e as dicas da família - no grupo de WhatsApp - e dos amigos, que comentavam muito no Facebook e Instagram.)

E foi assim que logo na entrada os meninos se tornaram Exploradores da Natureza, passando a conhecer o parque no roteiro da atração Wilderness Explorers, onde é possível descobrir um novo olhar científico e imitar o personagem Russell, o menino bonzinho do filme Up: Altas Aventuras.

Para participar basta ter curiosidade, saber inglês (afinal, os guias trazem informações no idioma aos jovens exploradores) e se inscrever logo na entrada do Animal Kingdom. Ao chegar, à direita na ponte Oasis, o visitante recebe um livro, um lápis e um adesivo para identificar quem está participando da brincadeira.

São 31 distintivos ao todo, e para ganhar o primeiro, é necessário aprender o cumprimento especial de um explorador. Depois, é só ir até os outros 30 lugares marcados no mapa com uma figura, realizar as atividades sugeridas no livro e ganhar as medalhas em forma de adesivo.

Meus filhos relembram com frequência das descobertas e do “treinamento” para soltar o inglês nos parques, pois conversavam e até discordaram de alguns dos monitores (risos), numa boa experiência nerd.

Enzo, de 14 anos, começou uma animada conversa com um dos guias, que explicava algumas coisas para as crianças sobre a diferença entre aranhas e insetos, tratando de características de espécies de aracnídeos, até que uma mãe americana (ansiosa para continuar a visita) pediu para terminarem o debate e liberarem logo a “medalha” para os menores. Em outra, ele explicava sobre acasalamento de animais e Enzo se animou explicando qual o critério dos animais para escolherem seu parceiros.

À primeira vista parece que o Animal Kingdom é um parque zoológico (ledo engano) e a brincadeira com os Wilderness Explorers permite que vejamos bem além das atrações fixas, realmente aprendendo coisas legais sobre a cultura de outros lugares.

Os meninos ressaltaram as experiências com a área da Ásia, descobrindo de onde veio a história do Yeti e um pouco um pouco sobre o Tibet também, assim como a parte da Índia, onde viram como escrever seus nomes em Hindu. Parece simples, mas é tudo interessante e marcante, como os muitos detalhes da mágica dos parques da Disney.

O complicado é conseguir fazer tudo em um dia só, mas dá para tentar completar nas outras vezes que for ao parque! Aliás, o Animal Kingdom foi dos parques que mais nos deixou um “gostinho de quero mais” e nos pegamos muitas vezes falando em voltar lá!